Views

Histats

Vitrine

Data Visualization - 03 - PowerPivot and SSAS - Zona de Aterrissagem


O assunto discutido neste tópico começou aqui.

PowerPivot está forçando-nos, desenvolvedores e/ou usuários, a construir e gerenciar uma "zona de aterrissagem" intermediária onde os dados ficam à medida que se movem entre a PowerPivot e o Excel. Perceba o que acontece nesse processo bizantino:

Todas as vezes que um usuário queira faça qualquer tentativa de drill-down num gráfico do Excel / gráfico ligado a um banco de dados PowerPivot, a Microsoft exige que nós desenvolvedor de aplicativos criemos manualmente uma "zona de aterrissagem" (através de uma folha de cálculo adicional).

Esta "zona de aterrissagem" é cuidadosa e trabalhosamente ajustada pelos Slicers (fatiadores) que nós, desenvolvedores, criamos para a aplicação;

Este processo gera uma grande sobrecarga, pois move-se a partir dos dados da PowerPivot para a "zona de aterrissagem" e desta para Excel. E isso acontece cada vez que os Slicers são usados, alterando a seleção dos dados.

Este problema é agravado quando o usuário deseja sincronizar e visualizar vários gráficos, o que, claro, acontece o tempo todo. Cada "zona de aterrissagem" e gráfico precisam ser atualizados a partir do zero e completamente redesenhados.

Cada Slicer é desconectado de um gráfico ou ligado a apenas um designado. A fim de permitir a sincronização entre todos os gráficos e as respectivas segmentações de dados, cada Slicer deve ser reconectado manualmente com todas os gráficos envolvidas. Imagine que você tenha 20 gráficos e 30 Slicers, assumindo que cada um deles já esteja conectado numa "zona de aterrissagem". Para que o seu aplicativo funcione corretamente, nós desenvolvedores, criaremos um código que efetuará [30 * 19 =] 570 religações manuais.

Dito tudo isso, muitas empresas têm Excel e PowerPivot, e usam-no na tentativa desesperada de resolver seus relatórios e problemas analíticos ... Esteja avisado que o Excel 2013 como um front-end para o PowerPivot pode limitar a performance de visualização de dados e Dashboards

Dois exemplos mais simples de limitações DV no Excel 2013 são:

Nenhum dos gráficos do Excel são interativos e não podem fazer assim como no Qlikview, com operações de detalhamento instantâneas. Para emular isso, o Excel força-nos a empregarmos Slicers e Pivots para operações de filtragem (e como viu acima, os Slicers precisam ser preliminarmente reconectados manualmente para TODOS as Pivôs que forem fontes de dados para os gráficos);

Muitos tipos de gráficos, pelo menos de 15, foram excluídos de quaisquer relações com as Pivots e Segmentações de Dados, por exemplo, todos os de Dispersão, bolhas e imagens paradas.

Em 2012, a Microsoft pareceu mais atualizada com o SQL Server 2012, o novo modo de tabela no SSAS (SQL Server 2012 Analysis Services), PowerView com o Report Designer / Viewer, índice columnstore (que na verdade faz com que o SQL Server 2012 se comporte como banco de dados colunar muito rápido), nova linguagem DAX através PowerPivot e SSAS, e a habilidade de usar o Excel 2013/PowerPivot como Designer de Cubo e publicar Cubos PowerPivot para SSAS e de capacidade para acessar curso "Excel e PowerPivot Serviços" diretamente a partir do SQL Server 2012 sem qualquer envolvimento do SharePoint 


Tags: Analysis Service, BI, BIDS, development, DV, Excel, PerformancePoint, PowerPivot, ProClarity, QlikTech, QlikView, Sharepoint, Spotfire, SQL server, SSAS, Studio, Tableau, Tabular, VertiPaq, DV



Inline image 1


LinkWithinBrazilVBAExcelSpecialist

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...