Views

Histats

Vitrine

04 - AMPLIE O SEU SENTIMENTO DE PERTENCIMENTO - BE SOCIABLE

Inline image 1



Gemeinschaft (comunidade)
 
                            X
Gesellschaft (sociedade)

Autores clássicos, como Ferdinand Tönies, procuravam conceituar a comunidade em oposição à sociedade. Tönies era inspirado no método galilaico, que era fundado em duas invenções da cultura grega, a teoria das ideias de Platão e a geometria de Euclides.


"O método consistia em escolher somente um caso e livrá-lo das impurezas do mundo observável, a fim de encontrar o princípio de acordo com o qual o caso em questão 'funcionaria' em circunstâncias ideais" (Töttö 1985:49).


Por isso, Tönies procurou criar um conceito de comunidade "pura", idealizada, oposta ao conceito de sociedade, criado pela vida moderna.

Para TöniesGemeinschaft (comunidade) representava o passado, a aldeia, a família, o calor. Tinha motivação afetiva, era orgânica, lidava com relações locais e com interação. As normas e o controle davam-se através da união, do hábito, do costume e da religião. Seu círculo abrangia família, aldeia e cidade.

Para TöniesGesellschaft (sociedade) era a frieza, o egoísmo, fruto da calculista modernidade. Sua motivação era objetiva, era mecânica, observava relações supralocais e complexas.  As normas e o controle davam-se através de convenção, lei e opinião pública. Seu círculo abrangia metrópole, nação, Estado e Mundo.

Para Tönies, a comunidade, Gemeinschaft, seria o estado ideal dos grupos humanos. A sociedade, Gesellschaft, por outro lado, seria a sua corrupção.

É natural desejarmos  fazer parte de um grupo, somos seres sociais e isso explica o motivo do 'boom' das redes sociais.

Mas o enfoque aqui é profissional:

Atraia pessoas que tenham um perfil similar ao seu.


Como um felino, precisa ter o olhar de caçador, em busca da constante formação da sua comunidade de interesse comum.


Estes formarão  a sua comunidade social e se tornarão os seus Clientes/Leitores.


Na prática . . . HAJA!

Conheça inúmeros sites cujos os assuntos se relacionem diretamente com a sua área de  atuação.

Descubra veículos na mídia que abordem, ou  promovam ações que estejam no mesmo raio de alcance das pessoas que deseja atrair.

Busque grupos, dentro das redes sociais e networking,  que tenham potencial  à adesão.

Mantenha disponível um formulário eletrônico logo após o seu artigo online para coletar informações relevantes que estreitem seu relacionamento com a sua comunidade.

Fomente enquetes de interesse desse grupo.


Inline image 2

Inspiration: 
Tags: ,Gemeinschaft, Gesellschaft, Comunidades Virtuais, sociabilização no ciberespaço, virtual settlement.

Referências Bibliográficas
ALDUS, Joan. O Intercâmbio entre Durkheim e tönies quanto à Natureza das Relações Sociais. In 

MIRANDA, Orlando. Para Ler Ferdinand Tönies. Edusp. São Paulo, 1995.

ARANHA FILHO, Jayme. Tribos Eletrônicas: usos e costumes. Online em <http://www.alternex.com.br/~esocius/t-jayme.html> (06/10/1998)

BEAMISH, Anne. Commuties on-line: A Study of Community – Based Computer Networks. Tese de Mestrado em Panejamento de Cidades. Instituto de Tecnologia de Massachusetts  – Estados Unidos. 1995. <http://albertimit.edu/arch/4.207/anneb/thesis/toc.html> (06/10/1998). 

BELLEBAUM, Alfred.  Ferdinand Tönies. In MIRANDA, Orlando.  Para Ler Ferdinand Tönies.Edusp. São Paulo, 1995.

BUBER, Martin. Sobre Comunidade. Coleção Debates. Editora Perspectiva. São Paulo, 1987.

COATE, John. Cyberspace Innkeeping: Building Online Community. 1993. Online em gopher://gopher.well.sf.ca.us/00/Community/innkeeping. (26/10/1998)

DONATH, Judith S. Identity and Deception in the Virtual Community . In KOLLOCK Peter. e Marc Smith. (organizadores) Communities in Cyberspace. Routledge. New York, 1999.

FERNANDES, Florestan. (organizador)  Comunidade e Sociedade. Companhia Editora Nacional e Editora da Universidade de São Paulo. São Paulo, 1973.

FERNBACK, Jan & THOMPSON, Brad.  Virtual Communities: Abort, Retry, Failure? Online em <http://www.well.com/user/hlr/texts/Vccivil.html> (06/10/1998)

FERNBACK, Jan.  The Individual within the Collective: Virtual Ideology ad the Realization of Collective Principles. In JONES, Steve G.  Virtual Culture: Identity & Communication in Cybersociety. Sage Publications: Thousand Oaks, California, 1997.- a.  There is a There There: Notes Towards a Definition of Cybercommunity. In

JONES, Steven G. b.  Doing Internet Research. Critical Issues and Methods for Examining the Net. Sage Publications. Thousand Oaks, California, 1999.

GUIMARÃES JR. Mário. A Cibercultura e as Novas Formas de Sociabilidade. Trabalho apresentado no Grupo de Trabalho "Nuevos mapas culturales: Cyber espacio y tecnologia de la virtualidad", na II Reunión de Antropologia del Mercosur, Piriápolis, Uruguai, de 11 a 14 de novembro de 1997. Online em <http://www.cfh.ufsc.br/imprimatur/artigos/guimaraes.htm> (12/08/1999)

HAMMAN, Robin. Computer networks linking network communities: effects of AOL use upon preexisting communities. 1999.  Online em <http://www.socio.demon.co.uk/cybersociety/>(01/08/2001). The Online/Offline Dichotomy: Debunking Some Myths about AOL Users and the Effects of Their Being Online Upon Offline Friendships and Offline Community. Mphil thesis. University of Liverpool, 1998. Online em <http://www.cybersoc.com/mphil.html>(01/08/2001).  Introduction to Virtual Communities Research and Cybersociology Magazine Issue Two. Online em <http://members.aol.com/Cybersoc/is2intro.html>(06/10/1998)

HARVEY, David. Condição Pós-Moderna. Edições Loyola. São Paulo, 1989.

HOLETON, Richard. Composing Cyberspace: Identity, Community and Knowledge in the Eletronic Age.  McGraw-Hill. USA, 1998.

JOHNSTON, Elizabeth. The Community in Ciberspace.   Online em <http://www.acs.ucalgary.ca/~dobrent/380/webproj/commun.html> (14/08/2000)

JONES, Quentin.  Virtual-Communities, Virtual Settlements & Cyber-Archaelogy  – A Theoretical Outline. In Journal of Computer Mediated Communication vol. 3 issue 3. December, 1997. Online em <http://jcmc.huji.ac.il/vol3/issue3/jones.html> (01/10/1998)

JONES, Steven G. (org)Virtual Culture: Identity & Communication in Cybersociety. Sage Publications: Thousand Oaks, California, 1997

KOLLOCK Peter. e Marc Smith. (organizadores) Communities in Cyberspace. Routledge. New York, 1999. Communities in Cyberspace.  In KOLLOCK Peter. e Marc Smith. (organizadores) Communities in Cyberspace. Routledge. New York, 1999.

LEMOS, André L. M.  As Estruturas Antropológicas do Cyberespaço. Online em <http://www.ligse.com/professores/jurema/estruturas.html> (01/08/2001). Santa Clara Poltergeist: "Cyberpunk" à brasileira? Online em <http://www.facom.ufba.br/ciberpesquisa/lemos/culcyber.html> (30/08/2001)

LEVACOV, Marília. Do Analógico ao Digital: A comunicação e a Informação no Final do Milênio. In Tendências na Comunicação. LPM, Porto Alegre, 1998.

LÈVY, Pierre. Cibercultura. Editora 34. São Paulo, 1999. A Revolução Contemporânea em Matéria de Comunicação. In MARTINS, Francisco M. e SILVA, Juremir M. da. Para Navegar no Século XXI. Tecnologias do Imaginário e da Cibercultura. EDIPUCRS, Porto Alegre, 1999. O que é o Virtual? Editora 34. São Paulo, 1997. As Tecnologias da Inteligência. Editora 34. São Paulo, 1998.

MANTA, André e SENA, Luiz Henrique.  As afinidades virtuais: A Sociabilidade do Videopapo. Online em <http://www.facom.ufba.br/pesq/cyber/lemos/estray1.html> (06/10/1998)

MCLUHAN, Marshall. Os Meios de Comunicação como Extensões do Homem.  Ed. Cultrix, São  Paulo, 1964.

MERLO, Valerio.  Rumo à Origem da Sociologia Rural: Vontade Humana e Estrutura Social ao  Pensamento de Ferdinand Tönies. In MIRANDA, Orlando. Para Ler Ferdinand Tönies. Edusp. São Paulo, 1995.

MIRANDA, Orlando. (organizador) Para Ler Ferdinand Tönies. EDUSP. São Paulo, 1995.A Armadilha do Objeto – O Ponto de Partida de Ferdinand Tönies. In  

MIRANDA, Orlando. Para Ler Ferdinand Tönies. Edusp. São Paulo, 1995.

PACCAGNELLA, Luciano.  Getting the Seats of Your Pants Dirty: Strategies for Ethnographic Research on Virtual Communities. Journal of Computer Mediated Communication, Vol 3, Issue 1. Junho de 1997. Online em  <http://www.ascusc.org/jcmc/vol3/issue1/paccagnella.html> (12/08/1998)

PALACIOS, Marcos.  Cotidiano e Sociabilidade no Cyberespaço: Apontamentos para Discussão. Online em <http://facom/ufba/br/pesq/cyber/palacios/cotidiano.html > (19/11/1998)

PRIMO, Alex  F. T. A Emergência das Comunidades Virtuais. Texto apresentado no Gt de Teoria da Comunicação no XX Congresso da Intercom  – Santos/SP, 27 de agosto a 07 de setembro de 1997. Online em <http://usr.psico.ufrgs.br/~aprimo > (10/08/2001). Interação Mútua e Interação Reativa. Texto apresentado no GT de Teoria da Comunicação para apresentação do XXI Congresso da Intercom  - Recife, PE, de 9 a 12 de setembro de 1998. Online em <http://www.psico.ufrgs.br/~aprimo/pb/intera.htm>(12/08/2001).  Explorando o Conceito de Interatividade. Definições e Taxionomias. Artigo publicado na revista "Informática na Educação", do PGIE/UFRGS. Online em <http://www.psico.ufrgs.br/~aprimo/pb/pgie.htm> (01/08/2001)

RECUERO, Raquel da C.  Comunidades Virtuais no IRC – Estudo dos Canais #Pelotas, #Mundo e #Brasil. Monografia de conclusão de curso apresentada para a obtenção do bacharelado em Jornalismo pela Universidade Católica de Pelotas. Dezembro de 1998.

ROSS, Murray e LAPPIN, B. W. Community Organization. Theory, principles and practice. Second Edition. Tokyo. Harper International Edition: 1967

RHEINGOLD, Howard.  La Comunidad Virtual: Una Sociedad sin Fronteras. Gedisa Editorial. Colección Limites de La Ciência.  Barcelona, 1994. The Heart of the WELL. In HOLETON, Richard. Composing Cyberspace: Identity, Community and Knowledge in the Eletronic Age.  McGraw-Hill. USA, 1998. A Slice of Life in my Virtual Community. Junho de 1992. Online em gopher://gopher.well.sf.ca.us/00/Community/virtual_communities92 (06/10/1998)

SCIME, Roger. <Cyberville> and the Spirit of Community: Howard Rheingold meet Amitai Etzioni. Online no gopher server da WELL: gopher://gopher.well.com/00/Community/cyberville (10/1998).

SMITH, Ana Du Val. Problems in Conflict managemente in Virtual Communities. In KOLLOCK Peter. e Marc Smith. (organizadores) Communities in Cyberspace. Routledge. New York, 1999.

SPENDER, Dale.  Gender- Bending. In  HOLETON, Richard.  Composing Cyberspace: Identity, Community and Knowledge in the Eletronic Age.  McGraw-Hill. USA, 1998.

TÖTO, Pertti.  Ferdinand Tönies, um Racionalista Romântico. In MIRANDA, Orlando.  Para Ler Ferdinand Tönies. Edusp. São Paulo, 1995.

TURKLE, Sherry. Life on the Screen: Identity in the Age of the  Internet. Touchstone. New York, 1997. Virtuality and its Discontents: Searching for Community in Cyberspace. Adaptado do "Life on the Screen". The American Prospect. 1999. Online em <http://www.prospect.org/archives/24/24turk.html> (04/08/2000).   Identity in the Age of Internet: Living on the MUD. In HOLETON, Richard. Composing Cyberspace: Identity, Community and Knowledge in the Eletronic Age.  McGrawHill. USA, 1998.

WEBER, Max. Conceitos Básicos de Sociologia. Editora Moraes. São Paulo, 1987.Metodologia das Ciências Sociais. Parte 2.  Editora Cortez. São Paulo, 1992.

WELLMAN, Barry e GULIA, Milena. Virtual  Communities as Communities: Net Surfers don't ride Alone. In KOLLOCK Peter

LinkWithinBrazilVBAExcelSpecialist

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...